Trabalho, Produção de Bens e Serviços

O cooperativismo de trabalho, produção de bens e serviços reúne profissionais que almejam alcançar melhores condições de trabalho, aumento de seus ganhos, garantia de direitos sociais e qualidade de vida. O segmento reúne cooperativas que se destinam à prestação de serviços especializados a terceiros ou à produção de bens. Nessas instituições, é preciso produzir e prestar serviços para ser dono do negócio. Com isso, os trabalhadores são empreendedores, unem o capital (posse dos bens de produção) à mão de obra, e estão orientados à autonomia e autogestão.

O diferencial do ramo também pode ser visto nos números:

em 2021, o cooperativismo de trabalho somou 688 cooperativas. Com mais de 192 mil cooperados, o setor gerou 9 mil empregos, levando qualidade de vida e desenvolvimento para onde está presente!

Cooperativas Cooperados Empregados 0 0 0 2021 2021 2021 0 0 0 2020 2020 2020 0 0 0 2019 2019 2019
Cooperativas 0 2021 0 2020 0 2019 Cooperados 0 2021 0 2020 0 2019 Empregados 0 2021 0 2020 0 2019

Panorama do Cooperativismo de Trabalho Produção de Bens e Serviços no Brasil

AM AC RO MT RR AP PA MS RS SC PR SP GO DF MG TO MA PI BA PE CE SE AL PB RN ES RJ
Amazonas NORTE
Cooperativas Cooperados Empregados 11 523 20 2020 2021

Panorama do Cooperativismo de Consumo no Brasil

Norte

Nordeste

Centro-Oeste

Sudeste

sul

Paraná

Cooperativas

14

Cooperados

7.444

Empregados

187

Santa Catarina

Cooperativas

13

Cooperados

2.048

Empregados

77

Rio Grande do Sul

Cooperativas

49

Cooperados

12.274

Empregados

2.674

São Paulo

Cooperativas

55

Cooperados

36.322

Empregados

172

Espírito Santo

Cooperativas

7

Cooperados

234

Empregados

27

Rio de Janeiro

Cooperativas

90

Cooperados

4.413

Empregados

112

Minas Gerais

Cooperativas

57

Cooperados

6.252

Empregados

371

Goiás

Cooperativas

19

Cooperados

915

Empregados

21

Mato Grosso

Cooperativas

36

Cooperados

35.650

Empregados

241

Mato Grosso do Sul

Cooperativas

2

Cooperados

283

Empregados

2

Distrito Federal

Cooperativas

28

Cooperados

1.126

Empregados

151

Acre

Cooperativas

17

Cooperados

405

Empregados

1

Amapá

Cooperativas

21

Cooperados

1.118

Empregados

83

Amazonas

Cooperativas

11

Cooperados

523

Empregados

20

Pará

Cooperativas

64

Cooperados

56.511

Empregados

36

Rondônia

Cooperativas

16

Cooperados

511

Empregados

81

Roraima

Cooperativas

9

Cooperados

795

Empregados

6

Tocantins

Cooperativas

10

Cooperados

390

Empregados

59

Alagoas

Cooperativas

21

Cooperados

664

Empregados

59

Bahia

Cooperativas

38

Cooperados

16.920

Empregados

184

Ceará

Cooperativas

9

Cooperados

3.052

Empregados

3.987

Maranhão

Cooperativas

9

Cooperados

227

Empregados

48

Paraíba

Cooperativas

12

Cooperados

539

Empregados

6

Pernambuco

Cooperativas

12

Cooperados

349

Empregados

128

Piauí

Cooperativas

40

Cooperados

1.007

Empregados

72

Rio Grande do Norte

Cooperativas

25

Cooperados

2.810

Empregados

945

Sergipe

Cooperativas

4

Cooperados

92

Empregados

0

Segmentação do Ramo Trabalho Produção de Bens e Serviços

Uma das características mais marcantes do ramo é a diversidade de setores produtivos em que está presente. Com a reclassificação ocorrida em 2019, o então Ramo Trabalho passou a reunir também cooperativas de produção, minerais, sociais, e parte das que atuam nas áreas de turismo e lazer e educacional. Desde então, as cooperativas são divididas em 13 segmentos: assistência técnica;

confecção; consultoria e instrutoria; cultura e lazer; educação; gestão de resíduos; manutenção, conservação e segurança; mineral; produção artesanal; produção industrial; sociais; tecnológica e inovação e outros serviços. Dentre essas áreas de atuação, cabe destacar a participação das 138 cooperativas educacionais no setor (20%) e das 83 cooperativas voltadas à consultoria e instrutoria (12%).

Uma das características mais marcantes do ramo é a diversidade de setores produtivos em que está presente. Com a reclassificação ocorrida em 2019, o então Ramo Trabalho passou a reunir também cooperativas de produção, minerais, sociais, e parte das que atuam nas áreas de turismo e lazer e educacional. Desde então, as cooperativas são divididas em 13 segmentos: assistência técnica; confecção; consultoria e instrutoria; cultura e lazer; educação; gestão de resíduos; manutenção, conservação e segurança; mineral; produção artesanal; produção industrial; sociais; tecnológica e inovação e outros serviços. Dentre essas áreas de atuação, cabe destacar a participação das 132 cooperativas educacionais no setor (15%) e das 83 cooperativas voltadas à consultoria e instrutoria (10%).

Distribuição das cooperativas nos segmentos 20% Educação 13% Demais serviços 12% Consultoria e instrutoria 11% Gestão de resíduos 11% 5% 2% Mineral Produção artesanal 9% 4% 1% Manutenção, conservação e segurança Cultura e lazer Sociais 6% 2% 2% Produção industrial Tecnologia e inovação Assistência técnica Confecção
Distribuição das cooperativas nos segmentos Educação 20% Demais serviços 13% Consultoria e instrutoria Cultura e lazer 12% 4% Gestão de resíduos Produção industrial 11% 2% Manutenção, conservação e segurança Confecção 11% 2% Mineral 9% Produção artesanal Sociais 6% 1% Assitência técnica Tecnologia e informação 5% 2%

Indicadores Financeiros

Valorização do ser humano por meio do processo produtivo, geração de trabalho e renda, são alguns dos muitos diferenciais do cooperativismo de trabalho, produção de bens e serviços. O ramo é uma alternativa para profissionais de perfil empreendedor e colaborativo que acreditam na união de forças para chegarem muito mais longe. Nossas cooperativas constituem uma forma democrática de acesso dos cooperados ao mercado de trabalho, auxiliando profissionais de diferentes formações e estando ao alcance de todos os cidadãos, mesmos os mais vulneráveis ou com deficiência. A geração de igual riqueza para seus associados reforça a importância de nossas cooperativas para o desenvolvimento do país, em busca de uma sociedade com melhores oportunidades para todos.

E a importância do ramo também é traduzida nos indicadores financeiros do setor:

em 2021, as cooperativas somaram R$ 1,1 bilhões em ativos, um aumento de 41% em relação a 2020! Os ingressos totalizaram R$ 2,9 bilhões!

Indicadores Financeiros do Cooperativismo de Trabalho e Produção de Bens e Serviços

ATIVO TOTAL CAPITAL SOCIAL SOBRAS DO EXERCÍCIO INGRESSOS R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 2019 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 2020 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 2021
R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 R$ 0,0 00 ATIVO TOTAL CAPITAL SOCIAL SOBRAS DO EXERCÍCIO INGRESSOS 2021 2020 2019

As cooperativas do setor também oportunizam desenvolvimento e qualidade de vida para sociedade:

Em 2021, elas recolheram

R$ 529 milhões

aos cofres públicos!

Isso sem contar com os mais de

R$ 235 milhões

destinados aos salários e benefícios aos seus funcionários .

Proporção de tributos e despesas com pessoal Ramo Trabalho e Produção de Bens e Serviços

Tributos sobre vendas e serviços 69% 31% Despesas com pessoal
69% 31% Tributos sobre vendas e serviços Despesas com pessoal * Informações referentes a 3.913 cooperativas representando 14.259.120 pessoas

MAIS DE R$ 765 MILHÕES EM TRIBUTOS E DESPESAS COM PESSOAL.

Intercooperação é Negócio

A intercooperação, sexto princípio do cooperativismo, é uma estratégia de negócios onde mais pessoas cooperam e ganham. Por meio de parcerias e negociações, duas ou mais cooperativas, do mesmo ramo ou de ramos diferentes, podem firmar acordos de transações comerciais, de prestação de serviços, de cooperação técnica ou financeira. E em meio a atual crise sanitária provocada pela pandemia, a intercooperação fortalece ainda mais as cooperativas, que saem cada vez mais fortes e competitivas diante das adversidades apresentadas.

A intercooperação, sexto princípio do cooperativismo, é uma estratégia de negócios onde mais pessoas cooperam e ganham. Por meio de parcerias e negociações, duas ou mais cooperativas, do mesmo ramo ou de ramos diferentes, podem firmar acordos de transações comerciais, de prestação de serviços, de cooperação técnica ou financeira. E em meio a atual crise sanitária provocada pela pandemia, a intercooperação fortalece ainda mais as cooperativas, que saem cada vez mais fortes e competitivas diante das adversidades apresentadas.

Em 2021:

24% das
cooperativas trabalho, produção de bens e serviços

fizeram negócios com cooperativas de Crédito ​

5% das
cooperativas trabalho, produção de bens e serviços

utilizaram serviços de cooperativas de Transporte ​

9% das
cooperativas trabalho, produção de bens e serviços

utilizaram planos de saúde de cooperativas de Saúde ​

4% das
cooperativas trabalho, produção de bens e serviços

adquiriram produtos de cooperativas Agropecuárias ​

Dados Complementares

Atuar em vários segmentos diferentes, oferecendo oportunidade de inclusão econômica e social a milhares de profissionais, em todas as regiões brasileiras. Esse é com certeza um diferencial do cooperativismo de trabalho, produção de bens e serviços. ​

E as cooperativas de reciclagem fazem parte desse universo! Elas promovem um ciclo virtuoso de desenvolvimento que transforma a atuação de seus trabalhadores, transborda para os negócios e impacta toda comunidade onde estão presentes. Contribuem para dignificar o trabalho dos catadores; favorecem a inclusão social e econômica de trabalhadores que, em sua maioria, não são qualificados e estão em situação de vulnerabilidade. Além disso, figuram como possibilidade de trabalho formal para catadores, propiciando um ambiente de menor insalubridade e com equipamentos de proteção individual; permite maior ganho de escala produtiva do que no trabalho informal, com a catação avulsa nas ruas e em lixões. Adicionalmente, quando organizados em cooperativas, os catadores podem firmar contratos com o poder público e com a iniciativa privada, para realizarem, dentre outros serviços, a coleta, triagem, classificação, processamento, e a logística reversa dos resíduos reutilizáveis e recicláveis. ​

Segmento reciclagem ​

Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), de 2021, em 2020:

As cooperativas e associações de catadores atuaram em + de 1.100 municípios.

Juntas, as entidades foram responsáveis por mais de 30% do volume de resíduos coletados por essas localidades!

De acordo com o Anuário da Reciclagem de 2021:

As organizações de catadores alcançaram, em 2020, o total de 326,7 mil toneladas de materiais recicláveis comercializados. Por dia foram produzidas, em média,895 toneladas!

Isso significa, que cada organização pesquisada, no ano de 2020, recuperou e destinou para reciclagem, em média, 510 toneladas de resíduos sólidos.

A reciclagem dos materiais está associada com o potencial de redução de emissões de 153,321 mil toneladas de gases de efeito estufa.

As organizações de catadores obtiveram um faturamento de R$ 159 milhões com a venda dos materiais para reciclagem, uma média nacional, de R$ 424 mil no ano por organização

Em abril de 2022, o governo federal lançou o Recicla+, programa que institui o Certificado de Crédito de Reciclagem, por meio do Decreto nº 11.044, de 13 de abril de 2022. O Decreto possibilita a remuneração de catadores de resíduos sólidos pelos serviços ambientais prestados, sob a forma de Certificados de Créditos de Reciclagem (Recicla+), que serão adquiridos pelas empresas interessadas com vistas a cumprir as exigências da logística reversa na PNRS. Uma oportunidade para cooperativas de produção e de reciclagem! Você Sabia?
Já as cooperativas minerais, por sua vez, têm a finalidade de pesquisar, extrair, lavrar, industrializar, comercializar, importar e exportar produtos minerais. Tudo isso de forma sustentável, preservando o meio ambiente e promovendo a melhoria das vidas de seus cooperados por meio da oferta de serviços de saúde, profissionalização e educação cooperativista. Em abril de 2022, o governo federal lançou o Recicla+, programa que institui o Certificado de Crédito de Reciclagem, por meio do Decreto nº 11.044, de 13 de abril de 2022. Uma oportunidade para cooperativas de produção e de reciclagem! O Decreto possibilita a remuneração de catadores de resíduos sólidos pelos serviços ambientais prestados, sob a forma de Certificados de Créditos de Reciclagem (Recicla+), que serão adquiridos pelas empresas interessadas com vistas a cumprir as exigências da logística reversa na PNRS. Você Sabia?

Segmento mineral ​​

Já as cooperativas minerais, por sua vez, têm a finalidade de pesquisar, extrair, lavrar, industrializar, comercializar, importar e exportar produtos minerais. Tudo isso de forma sustentável, preservando o meio ambiente e promovendo a melhoria das vidas de seus cooperados por meio da oferta de serviços de saúde, profissionalização e educação cooperativista.

Confira alguns dos resultados positivos das cooperativas minerais:

Em 2021, havia 272 cooperativas com títulos minerais ativos na Agência Nacional de Mineração (ANM). Essas instituições estão presentes em 536 municípios brasileiros!

Cooperativas com títulos minerais ativos na Agência Nacional de Mineração 272 2021 252 2020 230 2019
272 252 230 COOPERATIVAS COM TÍTULOS MINERAIS ATIVOS NA AGÊNCIA NACIONAL DE MINERAÇÃO 2019 2020 2021

Dos 4.001 títulos minerais por elas somados:

65,4%

eram Requerimentos de Lavra Garimpeira.

15,4%

eram de Lavra Garimpeira outorgados.

Participação da extração dos minerais nos títulos outorgados: 57.6% Ouro 20,8% Cassiterita 7,6% Diamante 5,0% Ametista 3,1% Quartzo 1,8% Feldspato 0,8% 3,3% Esmeralda Demais Fonte:Cadastro Mineiro da ANM (consulta em 25/05/2022, com processos protocolizados no período de 01/01/2000 a 31/12/2021).
Participação da extração dos minerais nos títulos outorgados: Ouro 57.6% Cassiterita 20,8% Diamante 7,6% Ametista 5,0% Quartzo 3,1% Feldspato 1,8% Esmeralda 0,8% Demais 3,3% Fonte: Cadastro Mineiro da ANM (consulta em 25/05/2022, com processos protocolizados no período de 01/01/2000 a 31/12/2021).

Desafios e Oportunidades

É consenso que a pandemia de Covid-19 acelerou mudanças em curso na sociedade e nas relações de trabalho. Enquanto debates sobre o futuro do trabalho se intensificam em torno da inteligência artificial e se a automação por robôs substituirá os trabalhadores, uma grande parcela da população sequer possui emprego e passa por dificuldades para obter um rendimento digno.

Nesse contexto, o cooperativismo, em especial de trabalho, se fortalece enquanto um meio de inserção de profissionais no mercado de trabalho, prezando por dignidade e proteção social, apoiado em princípios e valores cooperativos de igualdade, gestão democrática, participação econômica e sustentabilidade.

Ainda que a participação das cooperativas em processos de compras públicas continue a ser um desafio a ser solucionado, uma vez que o Governo é um cliente de peso, as cooperativas continuam buscando oportunidades de tê-lo em seu portfólio.

Adicionalmente, as plataformas digitais, as inovações tecnológicas, a computação em nuvem, os algoritmos e outras tendências do mercado significam oportunidades e desafios ao setor, na medida em que permitem novas formas de prestar serviços (educacional, treinamentos, capacitações, consultorias, assessorias etc.), maneiras diferentes de realização do trabalho e flexibilidade para trabalhadores e empresas.

A sustentabilidade traz novas oportunidades de negócios às cooperativas do ramo, que podem (re)organizar seus processos produtivos, respeitando e valorizando o trabalhador e o meio ambiente, prezando pelo melhor aproveitamento dos recursos, a inclusão social e a diversificação econômica. Assim, ganham relevância a rastreabilidade da produção por meio de sistemas certificados, a logística reversa e os créditos de reciclagem. Esses são alguns exemplos de novos mercados que podem ser aproveitados e potencializados, se trabalhados em consonância com a sustentabilidade. Nossas cooperativas seguirão prestando serviços de excelência, mantendo-se protagonistas nos cenários atuais e futuros.